Paisagens paulistas

O fotógrafo Tuca Vieira receberá o Prêmio APCA 2016 (Associação Paulista de Críticos de Arte), na categoria Arquitetura, em cerimônia marcada para 15 de maio, no Teatro Municipal de São Paulo. O projeto vencedor se chama Atlas Fotográfico da Cidade de São Paulo e Seus Arredores. Inspirado em um Guia Rodoviário que dividia a cidade em 203 página, Tuca fotografou ao longo de 2 anos, cada vizinhança da cidade.

Abaixo um texto assinado pelo crítico da APCA Gabriel Kogan, sobre o trabalho de Tuca Vieira.

Processo inesgotável

O guia de ruas encontrado pelo fotógrafo Tuca Vieira no banco de um táxi dividia a cidade de São Paulo em 203 partes iguais, representadas em páginas separadas da publicação. Ao longo dos dois anos que se seguiram ao achado, o artista registrou uma foto em cada um desses quadrantes do mapa, percorrendo a vastidão da cidade com sua câmera analógica de grande formato 4×5 em expedições solitárias. A série originou o Atlas Fotográfico da Cidade de São Paulo e Seus Arredores, projeto que, nas palavras do próprio fotógrafo, “nasce fracassado”: representar São Paulo, uma metrópole de 22 milhões de pessoas e quase 8 mil quilômetros quadrados.

No conto “Do rigor na ciência”, de Jorge Luis Borges, essa incapacidade da representação se revela pelos cartógrafos que fizeram um “mapa do Império que tinha o tamanho do Império”, mas “as gerações seguintes decidiram que esse dilatado mapa era inútil”. O fotógrafo brasileiro parece ter adotado uma estratégia diferente dessa dos cartógrafos borgianos. A representação não se dá a partir da expansão exagerada na criação de novas imagens, e sim na seleção precisa de pontos de vista. O fracasso anunciado ganha então expressão e potência na experiência e no próprio processo de formulação de um método criativo, com tons científicos, para a empreitada incomensurável.

Vindo do fotojornalismo e com experiência no noticiário diário sobre a cidade, Tuca Vieira desde o início do projeto não via a periferia como um campo desconhecido e estranho. Expostas pela primeira vez em setembro de 2016 na Casa da Imagem, as fotos nos levam à cidade sem fim, genérica, destituída de marcos; que, apesar de familiar para os moradores, é frequentemente negada enquanto registro. Poderíamos esperar que os quadrantes centrais do mapa seriam destinados aos monumentos, mas através das lentes do fotógrafo a cidade recebe tratamento homogêneo – como ela própria o é – e, assim, um Copan ou uma ponte estaiada não passam de edifícios quaisquer da cidade genérica, cenários citadinos banais mais que imponentes objetos de cartões-postais. Pouco importa, portanto, se temos uma representação da periferia ou do centro: no Atlas, esse binômio mal se coloca. Tudo é igualmente cidade, não importa em qual página do mapa estamos.

Vieira traz uma São Paulo despovoada, que não nos transporta para uma distopia pós-apocalíptica e sim nos mantém no presente em cores cinzentas e ocres da cidade desigual constituída, em sua maioria, por bairros-dormitórios desadensados, mantidos vazios ao longo de todo o dia, sem vivacidade no convívio do espaço público. O método quase científico de Tuca produz retratos antirromânticos e aponta o olhar para problemas que urbanistas exprimem por jargões técnicos, como a ausência de pluricentralidades, a constituição da forma urbana pela autoconstrução ou a existência de espaços públicos residuais. O próprio processo de produção das fotos expõe os problemas urbanos: por causa das dimensões do equipamento fotográfico e da falta de conexão das áreas periféricas da cidade por redes de transporte público, os registros – que trazem a perspectiva do pedestre – tornaram-se viáveis apenas com o auxílio do carro para vencer os longos deslocamentos intraurbanos.

O conjunto das 203 fotografias recusa o extraordinário e reaproxima a representação da experiência cotidiana urbana. Assim, o trabalho sistemático de Tuca Vieira acaba nos oferecendo um cruel registro contemporâneo de São Paulo. Incompleto, fracassado, impossível? Isso é o que menos importa.

O fotógrafo Tuca Vieira explica sobre a realização do projeto: