REVOLUÇÃO DOS VÍDEOS POR CELULAR

Com a praticidade dos smartphones que estão sempre à mão, os vídeos se tornaram parte da comunicação diária

 

Por Felipe Vanni

 

A revolução trazida pelos smartphones, alguns anos atrás, mudou muito o modo como consumimos informação. O dinamismo do vídeo, o apelo visual, sempre foram preferências entre grande parte da população. A informação, seja ela noticiosa, de entretenimento, de propaganda ou acadêmica, sempre é mais facilmente assimilada, em vídeo, pela maioria o público.

 

A Cisco, empresa de telecomunicações, realizou um estudo, o Índice Visual Networking Cisco, que divulgou que em 2020 o tráfego de vídeos na internet representará 82% de todo o tráfego realizado por consumidores. O vídeo está em toda parte e é cada vez mais a voz que dialoga com o consumidor.

 

Justamente por isso o smartphone mudou tanto o cenário mundial da produção de conteúdo para comunicação. Ver vídeos no celular, com acesso rápido, fácil e confortável, tomaram de assalto outros meios de comunicação. Não era preciso fazer nada mais elaborado do que tirar o celular do bolso para consumir informação.

 

Isso fez do vídeo, potencialmente, a ferramenta comunicacional mais poderosa da atualidade. Além da predileção, ainda há a facilidade, e a tecnologia caminha cada vez mais para atender e renovar esse mercado. A união dessa produção com a internet também é revolucionária. Além da multiplicidade de vozes ainda temos tanta qualidade que sentimos aos poucos outros meios de produção de vídeo perderem a força.

 

O Youtube e o Netflix são atualmente portadores do que mais se consome em conteúdo no mundo. O conteúdo é produzido por muitos, mas concentrado nessas ferramentas. Gigantes como o Facebook seguem a tendência e incorporam funcionalidades semelhantes a suas plataformas.

 

Interessante é que esse universo não se limita ao entretenimento, pois a notícia também já é mais consumida assim do que de outras formas. A publicidade e as ações focadas em marketing se baseiam no vídeo de forma poderosa. A criação publicitária mudou, passou a seguir moldes de storytelling, por exemplo, se focando em narrar histórias que dialogam com o entretenimento.

 

O fator humano do alto consumo alterou o que é necessário para convencer a audiência. Esse caldeirão de ingredientes contribuiu para isso. A divulgação se utiliza do próprio consumidor para se propagar. Tudo se tornou mais orgânico, embora ainda bem planejado e estruturado racionalmente.

 

A voz se espalha entre meios de gostos semelhantes, e dialogam com públicos agrupados por escolhas e preferências, criando um fenômeno incrível que faz com que até mesmo um pequeno varejista, um micro empresário, tenha voz considerável entre seu público alvo. Isso torna a produção em vídeo essencial para o diálogo em qualquer esfera profissional.

 

O vídeo aproxima o emocional e faz com quem empresas possam tratar seus clientes por seres humanos que são movidos e comovidos por histórias, por vivencias, por algo que é sentimental e não numérico ou frio. Isso já se vivia na publicidade, principalmente para a TV, porém com a capacidade de interação trazida pela internet, o escopo se amplia e muita coisa muda.

 

A produção tem que conversar com o cliente potencial, com os entretidos, e mostrar algo a ele que o valorize como humano. Os próprios botões de “curtir” são exemplos dessa humanização, já que permitem que haja uma opinião emocional sendo dada sobre o conteúdo. O alcance das marcas, da pequena à grande, estão diretamente ligados a este feedback.

 

Por isso é indiscutível que o vídeo faz parte das mais eficazes formas de comunicação da atualidade, principalmente quando se fala de atingir o consumidor por meio da publicidade. A estratégia bem pensada, considerando o fator humano, é o que vai realmente mudar as perspectivas do mundo. Observar o fenômeno do vídeo é estar atento ao que o presente e o futuro dirão sobre tudo ligado a conteúdo.

Felipe Vanni é publicitário com ênfase em marketing, MBA pela FGV e proprietário da Hugny.

Sobre a Hugny: https://www.hugny.com.br