‘O MENINO E O MUNDO’ – SEGREDOS DE EDIÇÃO REVELADOS!

Atalho no Adobe Photoshop CC permitiu “flipar” os desenhos do filme O Menino e O Mundo sem qualquer necessidade de plug-ins

Texto: Redação
Imagens: Divulgação

Pela primeira vez, uma animação brasileira concorreu ao Oscar, mas, infelizmente, não levou a maior premiação do cinema. Porém, não ter sido premiado não desmerece em nada o filme O Menino e O Mundo, de Alê Abreu, que revelou alguns segredos de como a tecnologia o auxiliou no trabalho criativo a partir do uso de ferramentas como Adobe Photoshop CC e After Effects CC. Segundo o diretor, a descoberta de um atalho possibilitou à equipe que trabalhou em O Menino e O Mundo “flipar” os desenhos do filme.

“Descobrimos um atalho no teclado no Photoshop que muda a visualização dos layers. Assim, o programa passou a nos apresentar os desenhos em movimento, diretamente do arquivo, e sem precisarmos recorrer aos seus plug-ins de animação”, conta Alê Abreu. No meio cinematográfico especializado em animação, “flipar” é um jargão utilizado para definir a passagem em velocidade de imagens, conferindo-lhes a percepção de movimento.

Explorando a tecnologia
Outra ferramenta utilizada durante o processo de animação e edição da animação foi a Adobe After Effects CC. “O potencial do Adobe Photoshop para edição e composição de imagens foi descoberto durante a produção de Garoto Cósmico (2007), para retocar cenas a cada frame do filme. Já o After Effects foi utilizado para outros ajustes e aplicações de efeitos”, diz o diretor. “Quando iniciamos O Menino e O Mundo, já sabíamos que esses dois programas seriam os principais”.

Para Federico Grosso, VP Enterprise da Adobe para a América Latina, o cinema sempre abraçou inovações tecnológicas. “Nos últimos anos, temos visto uma explosão de uso de tecnologias para agilizar o processo de criação colaborativa e edição, e a Adobe Creative Cloud permite essa sinergia entre os mundos tecnológico e criativo. Para nós, é uma satisfação e um enorme orgulho contribuir para a transformação de boas ideias em grandes trabalhos. Nossa função é entregar as ferramentas. Porém, quem efetivamente faz a mágica – quem as utiliza de forma criativa, a serviço da emoção da história –, são os usuários. O Menino e O Mundo é um grande exemplo do uso inovador da tecnologia”, afirma o executivo.

Produção
A animação foi realizada por meio do Photoshop com o suporte de uma caneta digital. Em uma fase seguinte, a sequência de desenhos foi impressa em folhas sulfite, levadas a uma mesa de luz, onde as imagens eram trabalhadas de forma orgânica, com lápis de cor e giz pastel – o objetivo era oferecer textura e cor às caricaturas e cenários.

O Photoshop voltou à cena após a digitalização de toda a arte colorida. Nesta etapa, os assistentes de animação estavam encarregados de reaproveitar o banco de texturas de cada personagem para compor a totalidade dos desenhos de cada cena. “Também usamos texturas digitais, criadas a partir da própria ferramenta. Mas tínhamos um objetivo claro, praticamente um dogma, de que não poderia parecer digital. A proposta era imaginar que a tela do computador era uma folha de papel”, continua Alê Abreu.

Finalização
No processo final de criação foi utilizado o After Effects. Todas as camadas editadas no Photoshop (com cenário e as artes da animação) foram direcionadas para o programa de aplicação de efeitos com a finalidade de ajustes como câmera e composição final.

“Hoje, as tecnologias disponíveis para trabalhos criativos, como é o caso de um longa-metragem em animação, são importantes aliadas. Foi muito interessante ver como a equipe de O Menino e O Mundo conseguiu incorporar nossas ferramentas da Creative Cloud de uma forma extremamente orgânica, criando uma percepção de um mundo de papel, mas com suporte digital”, finaliza Frederico Grosso.

Veja Também