‘A Era do Ouro do Cinema – anos 30 e 40’: uma exposição de se apaixonar

0
1938 - Flash Gordon no planeta Marte - Universal Pictures
1938 - Flash Gordon no planeta Marte - Universal Pictures

Exposição com materiais de produções das décadas de 1930 e 1940 tem curadoria da historiadora Alice Trusz; atividade integra a programação especial com 26 atividades

Será inaugurada nesta sexta-feira, 18 de outubro, na Cinemateca Capitólio Petrobras, em Porto Alegre-RS, a exposição A Era de Ouro do Cinema: anos 30 e 40, que reúne materiais de divulgação de produções cinematográficas das décadas de 1930 e 1940.

A Era de Ouro do Cinema integra a programação especial com 26 atividades do projeto Cinemateca Capitólio Petrobras Programação Especial 2019. Dentre elas, mostras de cinema, sessões acessíveis e masterclasses, além, claro, da exposição ‘A Era de Ouro do Cinema: anos 30 e 40’, que estará aberta ao público de forma gratuita até 20 de dezembro. Aprovado na Lei de Incentivo à Cultura/Governo Federal, com produção cultural da Fundacine-RS e Prefeitura Municipal de Porto Alegre, através da Coordenação de Cinema e Audiovisual da Secretaria da Cultura o projeto possui patrocínio master da Petrobras.

Curadoria

Com curadoria assinada pela historiadora Alice Trusz, concepção visual da designer Tatiana Sperhacke e expografia a cargo de Andreia Vigo, a exposição é formada por três módulos: o primeiro deles apresenta um estudo das principais vertentes exploradas neste período – o nascimento dos grandes estúdios e suas estrelas, do advento do filme colorido em Tecnicolor e os principais diretores da época, entre outros. O segundo módulo exibe um slide-show, que projeta uma seleção de cartazes e outros materiais relevantes digitalizados. Já o terceiro e último módulo traz uma projeção de trechos dos principais filmes destas duas décadas.

A mostra aborda os elementos artísticos e gráficos do período, utilizando peças do acervo da instituição, em sua maior parte advindas da coleção de Telmo Kersting, doada ao Centro de Documentação e Memória da Cinemateca Capitólio Petrobras, em 2017. O material, formado por cartazes, anúncios, catálogos, cartazetes, press releases, press books, pôsteres, entre outros, constitui-se como uma importantíssima fonte de pesquisa, onde lança uma nova perspectiva para o estudo da história do cinema no Brasil, bem como das relações com a indústria cinematográfica estrangeira, principalmente a norte-americana, mostrando seu impacto no cinema nacional.

“Através dessa exposição traremos ao público uma reflexão sobre o valor cultural, histórico e estético dessas peças para a compreensão das formas de afirmação comercial da indústria cinematográfica no passado”, revela a curadora, que contou com a assessoria de pesquisa de Marcus Mello e Rosemeri Iensen.

1939 - E o vento levou - MGM
1939 – E o vento levou – MGM

Abertura da exposição

A abertura ocorre às 19h30 de 18 de outubro e a visitação segue com entrada franca até 20 de dezembro, de terça a sexta-feira das 9h às 20h30 e sábados, domingos e feriados das 14h às 20h30.

Para Visitas Orientadas, os interessados devem entrar em contato pelo email cdmcapitolio@gmail.com ou pelo telefone (51) 3289 7463.

A Cinemateca Capitólio Petrobras fica na Rua Demétrio Ribeiro 1085 – Esq. com Borges de Medeiros. Mais informações (51) 3289 7453 | http://www.capitolio.org.br | facebook.com/cinemateca.capitolio

A Era do Ouro do Cinema: Anos 30 e 40

Para a Fundação Cinema RS, que tem como missão institucional impulsionar o desenvolvimento da indústria cinematográfica e audiovisual do Rio Grande do Sul, e a parceria bem–sucedida, entre a SMC e ao patrocínio da Petrobras, foi possível, além da reforma e reestruturação da sala de exibição, tornar a Cinemateca Capitólio Petrobras um lugar de guarda, preservação e difusão da memória do cinema gaúcho e brasileiro e, assim, manter o espaço aberto ao público durante o ano inteiro. A exposição com materiais do acervo cumpre com a vocação da Cinemateca e promove reflexão sobre os caminhos passados, presentes e futuros da indústria cinematográfica no mundo.

O material constitui-se como uma importantíssima fonte de pesquisa, onde lança uma nova perspectiva para o estudo da história do cinema no Brasil, bem como das relações com a indústria cinematográfica estrangeira, principalmente a americana, mostrando seu impacto no cinema nacional.