O Sesc Belenzinho será palco para a exposição ILUMINADOS – Experiências Pioneiras em Cinema Expandido

A partir do dia 16 de agosto Sesc Belenzinho apresenta a exposição ILUMINADOS – Experiências Pioneiras em Cinema Expandido. Ela ficará em cartaz até o dia 15 de setembro. Com curadoria de Roberto Moreira S. Cruz, a mostra reúne obras pioneiras do cinema expandido, resultantes da experimentação da linguagem audiovisual, entre os anos 1960 e 1980.

Segundo o curador, “ILUMINADOS traz uma seleção de trabalhos, de fundamental importância histórica, que utilizam o cinema como forma de expressão artística, relacionando possibilidades de explorar os recursos da imagem em movimento, da linguagem audiovisual e os diversos dispositivos de projeção, elaborados pelos artistas no contexto embrionário da arte contemporânea”.

Cinema expandido é o termo utilizado para tratar as muitas maneiras de trabalhar essa linguagem, ampliando-a e multiplicando-a para além da tela. Ao ser projetado em um espaço onde o espectador circula livremente, o filme ganha nova perspectiva, propondo narrativas descontínuas com outras formas de estímulos visuais e sonoros. E rompe com a obrigatoriedade de uma tela única e frontal, de um discurso audiovisual linear e sequencial.

A exposição é composta por nove trabalhos que formam um mosaico de informação visual de artistas que pesquisavam essas interfaces, propondo formas originais, incomuns, não arbitrárias de criação, experimentando com a técnica e a forma da imagem e do som. Todas as obras foram produzidas em película.

São elas: Lupe, de Andy Warhol (feito para dupla projeção com interpretação de Edie Sedgwick), Slides, de Annabel Nicolson (sequência de fragmentos de películas de 8 mm e 16 mm, diapositivos e filme velado, compondo uma longa e ininterrupta tira), Uma Mosca no Meu Filme, de Antonio Dias (que exibe a imagem de uma mosca em enquadramento com escala aumentada), Light Music, de Lis Rhodes (constituída de duas projeções voltadas uma para a outra e em telas opostas, esta filmeinstalação estabelece uma relação direta entre a imagem e o som), Hand Grenade, de Gill Eatherley (resultado de um processo de elaboração das imagens, a partir da captura do movimento da luz de uma lanterna), Three Landscapes, de Roy Lichtenstein (com texturas que refletem a luz, gerando efeitos semelhantes aos raios de sol e às ondas no mar que, justapostos às imagens captadas da natureza, compõem simulacros do real), Movie Drome, de Stan VanDerBeek (instalação semelhante ao projeto original, de 1965, que recria o espaço de exibição em forma de cúpula de 180º), ÃO, de Tunga (filmeinstalação que cria outros significados para a imagem, o som e o próprio devaneio do corpo), Adjugated Dislocation, de Valie Export (obra onde o corpo, e não o olhar, é o agente da imagem, criando uma relação indissociável entre eles).

Completando esta seleção, está antologia de 35 curtas experimentais produzidos pelos artistas do movimento Fluxus, reunidos por George Maciunas na FLUXFILM ANTHOLOGY. Para a execução de ILUMINADOS – Experiências Pioneiras em Cinema Expandido, além dos projetores de vídeo, foram necessários 11 projetores 16 mm com um sistema de projeção em lopping e uma diversidade de lentes que não se encontram mais disponíveis no mercado brasileiro.