FESTIVAL DE CINEMA MUDO COM MÚSICA AO VIVO NO ‘CENTRO DA TERRA’

0
Festival de Cinema Mudo

Aventuras do Cinema Mudo une filmes, como Viagem à Lua, de Georges Méliès e O Épico do Everest, de John Baptist Lucius Noel com os músicos internacionais de vários gêneros

O instituto suíço IOIC – Institute of Incoherent Cinematography comemora 10 anos com a mostra Aventuras do Cinema Mudo, uma seleção de filmes mudos, entre ficção e documentários sobre divertidas e audaciosas aventuras e expedições de estética ousada e experimental. O evento, que já passou pelo Chile e Argentina chega em São Paulo no dia 18 de setembro, quarta-feira, com sessões no Centro da Terra.

Na programação estão filmes Sci-Fi, que exploram o mundo da fantasia das mais modernas tecnologias; filmes etnográficos e documentários à margem do mundo civilizado; relatos de expedições e viagens com a conquista de lugares tão remotos como o Polo Sul, o Monte Everest e o planeta Marte; e filmes experimentais que examinam o caráter sonhador e delirante do meio moderno.

Todos os filmes são apresentados com bandas ao vivo por músicos internacionais de vários gêneros, desde jazz e música improvisada, a pós-rock, eletrônica e música experimental contemporânea. Aventuras do Cinema Mudo é uma coprodução entre o IOIC – Institute of Incoherent Cinematography e o Centro da Terra e faz parte do programa Coincidencia – Cultural Exchanges – Intercâmbio Cultural Suíça-América do Sul da fundação suíça para a cultura Pro Helvetia.

Programação: Festival de Cinema Mudo

18h | Viagens ao Espaço Extraterrestre

Reunião de quatro curtas-metragens:

Viagem à Lua [Le Voyage dans la lune] (França, 1902, 14 min, HD, colorido à mão), de Georges Méliès.

O Motorista Automático [The Automatic Motorist] (Reino Unido, 1911, 6 min, HD), de Walter R. Booth.

Viagem à Marte [Trip to Mars] (Estados Unidos, 1924, 7 min, HD), de Dave & Max Fleischer.

Controle da Terra de Ko-Ko [Earth Control] (Estados Unidos, 1928, 6 min, HD), de Dave & Max Fleischer.

Música ao vivo de Dadaglobal (David Da Da Daniel).


A primeira aventura cinematográfica importante de uma viagem ao espaço extraterrestre é a famosa Viagem à Lua (1902) do grande mago do início do cinema narrativo, o francês George Méliès. Daí em diante, muitos filmes se baseiam em viagens espaciais como o divertido O Motorista Automático (1911) do pioneiro inglês Walter R. Booth ou alguns filmes dos irmãos Fleischer, especialmente os curtas com o palhaço Koko, protagonista de Out of the Inkwell (1918-1929), uma série animada muito querida na época do cinema mudo.


O artista eletrônico Dadaglobal, famoso por suas sonorizações bem-humoradas de filmes mudos vai sonorizar os quatro curtas-metragens prometendo uma viagem ao espaço sideral!

19h | As Aventuras do Príncipe Achmed

As Aventuras do Príncipe Achmed [Die Abenteuer des Prinzen Achmed) (Alemanha, 1926, 64 min, HD], de Lotte Reiniger.

Música ao vivo de Bitter Moon (Réka Csiszér e Simone Bernardoni).


As origens do filme de animação com silhuetas remontam à tradição venerável de mais de 2000 anos de teatro de sombras chinês. Com este primeiro longa-metragem de animação sobre as aventuras do Príncipe Achmed, o personagem mais famoso de As Mil e Uma Noites, a diretora Lotte Reiniger garantiu um lugar no panteão dos maiores animadores de todos os tempos.


A dupla electro-tropical Bitter Moon com a cantora Réka Csiszér e a tecladista Simone Bernardoni farão o som deste fascinante filme.

20h30 | O Himalaya Cinematográfico

O Épico do Everest [The Epic of Everest] (Reino Unido, 1924, 86 min, HD), de John Baptist Lucius Noel.

Música ao vivo da Orquestra de Improvisos IOIC formada pelos músicos Carla Boregas, Thomas Rohrer, Hans Koch, Flo Stoffner, Lionel Friedli, Antonio Panda Gianfratti e Mauricio Takara.

Nem George Mallory e nem seu companheiro Andrew “Sandy” Irvine sobreviveram à terceira tentativa de escalar o monte Everest em 1924. Foram vistos pela última vez a uns 250 metros abaixo do cume. Ainda hoje, 20 anos depois de encontrar os corpos, especula-se se conseguiram ou não chegar ao topo antes de morrerem. Indiscutível é o fato que o acontecimento épico deixou para a posteridade as impressionantes imagens atmosféricas que o capitão Noel fez com sua câmera de mão. Ele seguiu a expedição até 7 mil metros de altitude e depois continuou filmando da base com uma câmera telescópica fabricada sob medida.


O trio de improvisação livre Elgar formado por Hans Koch (clarinete baixo e saxofone soprano), Flo Stoffner (guitarra) e Lionel Friedli (bateria) se juntam aos músicos Carla Boregas e Maurício Takara, da banda paulista Rakta e com Thomas Rohrer e Antonio Panda Gianfratti para criarem o som ao vivo deste filme visualmente deslumbrante.

Sobre o Centro da Terra

O Centro da Terra é um espaço cultural independente sem fins lucrativos mantido por Keren e Ricardo Karman. Inaugurado em 2001 e reformado em 2015, suas instalações abrangem um teatro com palco italiano, um ateliê, uma praça de convivência com um café, um terraço e salas multiuso. O teatro situa-se doze metros abaixo da superfície terrestre e foi aberto, após dez anos de obras e escavações no quarto e quinto subsolos de um edifício, no bairro de Perdizes, na capital paulista. Seu nome vem da sua localização subterrânea e é, também, uma homenagem ao espetáculo Viagem ao Centro da Terra realizado, em 1992, pela Kompanhia do Centro da Terra.

A programação é dirigida a todos os públicos, focada em produções, apresentações e ações de formação em Música, Artes Cênicas e Visuais que priorizem a linguagem contemporânea, e que dialoguem com a pesquisa da Kompanhia do Centro da Terra. A escolha da programação é feita por uma equipe de curadores que, a partir de suas pesquisas autorais, trazem para o Centro da Terra trabalhos experimentais de artistas emergentes e/ou consagrados, lançamentos, remontagens, temporadas pós estreia e projetos especiais. O local também abriga a escola de Arte Grão do Centro da Terra, que desenvolve um curso livre em que crianças e adolescentes participam de experiências nas diversas linguagens artísticas e que tem como fundamento a liberdade de criação, a ludicidade e a participação coletiva em percursos singulares. Atualmente o espaço conta com o Edital de Apoio aos Espaços Independentes da Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo.

Para roteiro:

AVENTURAS DO CINEMA MUDO

Dia 18 de setembro, quarta-feira, das 18h às 22h

Livre. Ingressos – Ingresso consciente (o público, consciente do trabalho envolvido para realização do espetáculo, e do valor que ele dá para vivenciar esta experiência, escolhe quanto acha adequado pagar pelo seu ingresso, de acordo com sua condição financeira) a venda pelo site sympla.com.br/centrodaterra.CENTRO DA TERRA – Rua Piracuama, 19 – Perdizes. Telefone – (11) 3675-1595. Café do Centro da Terra – de segunda a sexta-feira, das 12h às 21h. Capacidade do Teatro – 100 lugares