“JONAS E O CIRCO SEM LONA” EM EXIBIÇÃO

O longa estará em exibição no Cine Caixa Belas Artes, às 21:30h, seguida de debate com a equipe e com o ator principal

Texto: Eduardo Torelli

Imagem: Divulgação

Era uma vez Jonas, garoto de 13 anos de idade que, por meio de um cirquinho montado no quintal de casa, mantinha viva a chama artística de sua família, que um dia decidiu trocar o picadeiro por uma ilusão de realidade. Parece a premissa de um bom drama de ficção, mas é uma história real. Ela pode ser conferida no sensível documentário de Paula Gomes, “Jonas e o Circo sem Lona”, que estréia hoje em todo o país após percorrer mais de 30 festivais e arrebatar prêmios no México, nos EUA, na Espanha e na França.

A produção foi a única representante latino-americana no IDFA – International Documentary Film Festival Amsterdam e conquistou láureas como a de Melhor Longa pelo Júri Especial no Festival Panorama de Cinema 2016, Destaque do Cine Esquema Novo 2016 e Menção Honrosa do Júri do Cachoeira Doc 2016.  No dia 17 (sexta-feira), às 21h30, a diretora estará no Cine Caixa Belas Artes, onde participará de um debate com a equipe do filme e com o próprio protagonista, Jonas, após a exibição do documentário.

CIRCO NORDESTINO

Paula Gomes disse à Zoom Magazine que a ideia de realizar “Jonas e o Circo sem Lona” surgiu a partir de um “mergulho” na tradição do circo nordestino. “Em 2006, estávamos preparando dois curtas que foram contemplados em editais do Ministério da Cultura (Noite de Marionetes e Piruetas)”, lembrou a cineasta. “Ambos os filmes tinham o universo do circo como pano de fundo. Depois de tanta gente vir nos perguntar se nosso filme seria ao estilo ‘felliniano’, descobrimos que existia, no imaginário de todos, uma caricatura do circo, construída no cinema, que se tornara um lugar comum. Então, tentamos encontrar um caminho que nos levasse a um olhar mais fresco do circo nordestino contemporâneo.”

Foi assim que Paula conheceu a família de Jonas, que, na época, planejava deixar o circo para começar uma nova vida na cidade. Anos mais tarde, a diretora recebeu um telefonema do próprio Jonas, que a convidou para assistir a um espetáculo de circo que ele montara nos fundos de casa. “Jonas nunca se adaptou à vida fora do circo”, disse Paula. “Quando cheguei lá, fiquei encantada pela forma como aquele menino conseguiu dar a volta por cima e manter vivo o seu sonho. Ele montara o seu próprio circo com o que sobrara do antigo circo da família: pedaços de arquibancadas, lonas velhas, o trapézio… E tinha ensinado os meninos da vizinhança a serem artistas.”

Com uma história e tanto nas mãos, a realizadora deu início à produção (“foram muitas idas e vindas entre o quintal de Jonas e a ilha de edição”). O dia a dia de Jonas e dos personagens periféricos de seu lúdico universo foram captados com uma Canon 5D – por uma questão de agilidade. “Resolvemos apostar em uma estética que se valesse do uso da luz natural e que fosse 100% câmera na mão”, contou a cineasta. “Somos apaixonados pela luz natural. Saber utilizá-la da maneira mais criativa possível sempre foi o nosso desejo. Como ficamos muito tempo no quintal de Jonas, o diretor de fotografia, Haroldo Borges, teve a oportunidade de estudar a luz natural em todos os cantos da casa. Quando partíamos para filmar, ele já sabia como o sol se comportaria e como tirar melhor proveito dele.” O passo seguinte foi encarar a ilha de edição, onde o belo documentário encontrou sua forma definitiva.

REALIDADE E FICÇÃO

Paula Gomes é diretora, formada pela Escuela Septima Ars de Madrid e faz parte do coletivo baiano Plano 3 Filmes. “Jonas e o Circo sem Lona” teve sua world première no IDFA e foi premiado com o TFI Latin America Arts Fund, concedido pelo Tribeca Film Institute (EUA). O filme, que no Brasil estreou no Festival “É Tudo Verdade”, já passou por 20 países. Paula também dirigiu o curta “Pornographico”, que conquistou 17 prêmios em festivais, incluindo o de Melhor Filme do Festival San Luis Cine (Argentina), e acaba de produzir o longa de ficção “Filho de Boi”, com previsão de estreia para o segundo semestre de 2017.

“Estamos trabalhando na finalização de ‘Filho de Boi’, projeto que amadureceu muito depois de ‘Jonas e o Circo sem Lona’”, conclui Paula. “Encaramos o processo quase como um documentário. Antes de começarmos a filmar, realizamos um grande laboratório, envolvendo todos os setores criativos do filme, para trazer verdade ao projeto. Nossa preparação de elenco, que foi feita por Fátima Toledo, entrou aí, também. Foi incrível. A gente não queria só filmar o que estava escrito no papel, nem cumprir cronograma de seis semanas de filmagem. A gente queria viver aquela história. Então, fomos para o sertão e vivemos. O filme é resultado disso.”

Confira na íntegra a entrevista com Paula (e o making of completo de “Jonas e o Circo sem Lona”) na edição 195 da Zoom Magazine.