OS BASTIDORES DE UM CAMPO DE BATALHA

Na época em que Tropa de Elite 2 era produzido, o cineasta Tristan Aronovich nos contou como foi a experiência de trabalhar nos bastidores de um épico de ação brasileiro

Por Eduardo Torelli Fotos Divulgação

O primeiro Tropa de Elite – com o perdão do trocadilho irresistível – foi um “tiro de .12” no cepticismo da crítica e do público brasileiros, derrubando o mito de que o nosso país não tinha tradição em filmes de ação ou traquejo para criar personagens icônicos neste filão. Mas o Capitão Nascimento (Wagner Moura) e os gladiadores do BOPE puseram abaixo este paradigma. E se ainda havia dúvidas de que essa turma tinha fôlego para mais aventuras, Tropa de Elite 2 (outro retumbante sucesso de crítica e de público) se encarregou de erradicá-las.

Méritos para o diretor José Padilha e para os profissionais que o escudaram no que foi uma verdadeira odisséia cinematográfica – inclusive, um colaborador da Zoom Magazine, o cineasta Tristan Aronovich, que, em parceria com o Presidente do CATI (Centro Avançado de Técnicas de Imobilização), Marcos Do Val, fez a “ponte” entre as linguagens militar e artística na produção de Tropa de Elite 2. O êxito das cenas de ação do longa se deviam, além do bom roteiro, da direção criativa e da edição magistral, ao realismo das ações táticas vistas na tela.

Ficou interessado para ler sobre os bastidores desse filme? Então você terá que ver todos os detalhes em nossa revista. Todo o conteúdo, dessa reportagem, poderá ser encontrado na seção CINEMATECA. Não deixe de conferir! CLIQUE AQUI para ser redirecionado para a nova edição e conferir tudo na íntegra.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here